A estrutura de Governança, apresentada na Figura 03, destaca a atuação dos órgãos deliberativos e executivos de forma integrada e coordenada, e suas atribuições seguem o que está definido na Lei das S.A. (Lei 6.404/76) e no Estatuto Social da TBG.

A Assembleia Geral de Acionistas constitui o órgão social da Companhia, de caráter exclusivamente deliberativo.

O Conselho de Administração (CA) é um órgão de orientação e direção superior da TBG. É composto por oito Conselheiros titulares e seus suplentes, tendo na sua composição um Conselheiro indicado pelos empregados, em atendimento à Lei Federal nº 12.353/10. Todos possuem mandato de um ano, sendo admitida a reeleição. Em 2014, foram realizadas 12 reuniões do CA, nas quais foram tratados assuntos de cunho deliberativo e outros de avaliação de desempenho operacional, financeiro e de gestão da Companhia.

O Conselho Fiscal (CF) é o órgão autônomo de controle e fiscalização dos atos administrativos e da gestão orçamentária, financeira e patrimonial, responsável por preservar e defender os interesses da Companhia e dos seus acionistas. É composto por 3 membros e seus suplentes, com mandato anual. Ao longo do ano foram realizadas 12 reuniões ordinárias, conforme definido no seu Plano de Trabalho Anual.

A Auditoria Interna (AUDIN) da TBG possui regulamento interno aprovado pelo CA e tem a função de assessorá-lo, bem como a Diretoria Executiva (DE), de modo a garantir níveis adequados de verificação dos controles internos, respeitando o que fora definido no Plano Anual de Atividades de Auditoria Interna (PAINT). Destaca-se que os resultados das auditorias internas são submetidos à aprovação do CA e são acompanhados ainda pelo CF e pela DE, sem prejuízo da verificação pela Controladoria Geral da União (CGU) e pelo Tribunal de Contas da União (TCU), órgãos de controle governamental.

A TBG possui ainda uma Auditoria Externa independente contratada para examinar as demonstrações contábeis da Companhia ao final de cada exercício social. A aprovação destas demonstrações dar-se-á pela Assembleia Geral Ordinária de Acionistas (AGO). Acrescente-se que a cada 5 anos há a substituição da empresa contratada para garantir isonomia, independência e transparência ao processo de auditoria.

A Diretoria Executiva (DE), composta pelo Diretor Superintendente, Diretor Comercial, Diretor Financeiro e Diretor de Manutenção e Operação, é o órgão responsável pela gestão e operacionalização dos negócios da Companhia, de acordo com o seu Plano Estratégico 2020 aprovado pelo CA. Durante o ano foram realizadas reuniões semanais, o que contribuiu para garantir agilidade aos processos, tendo sido as respectivas atas encaminhadas ao CA e ao CF para conhecimento dos assuntos deliberados.

No processo decisório, a DE foi assessorada por cinco Comitês Corporativos em 2014, acerca de temas de relevância organizacional e uma Comissão de Ética estabelecida para analisar e tratar assuntos desta natureza.

A Companhia estabeleceu diretrizes corporativas e dispõe de instrumentos de gestão que asseguram as melhores práticas de governança, tais como: política de limites de competência; Plano Básico da Organização (PBO); Sistema de Gestão Integrado (SGI); programas de saúde, meio ambiente e segurança ocupacional (SMS); código de ética; manuais de normas e padrões; Pesquisa de Satisfação do Cliente (PSC) e respectivo plano de ação; acompanhamento do desempenho da Companhia, de curto e médio prazo, por meio das informações divulgadas no Relatório Mensal de Desempenho Empresarial (RMDE) e do Relatório da Administração (RA) anual; sistemas customizados de suporte às informações e processos, por exemplo, SAP, padronização eletrônica de procedimentos, sistema para gestão da documentação; e Secretaria Geral para atendimento aos órgãos Sociais.

A contínua busca da TBG pelo aprimoramento das suas práticas de Governança visa a agregar valor à gestão da Companhia e valorizar sua imagem institucional, sempre pautada na confiabilidade, responsabilidade, transparência e ética.